amazon 1

Empresário suspeito de vender cetamina à família de Djidja se entrega

Segundo o G1, José Máximo de Oliveira foi até a delegacia após ter mandado de prisão expedido. Ele foi intimado três vezes a depor e faltou

Por Fábia Oliveira em 09/06/2024 às 10:12:04

O caso da morte suspeita de Djidja Cardoso, ex-sinhazinha do Boi Garantido, no último dia 28, ainda continua trazendo muitas revelações. Na tarde de s√°bado (8/6), o dono da clínica veterin√°ria de onde teriam saído as drogas usadas pela família da empres√°ria se entregou à polícia.


Segundo o portal G1, José M√°ximo de Oliveira foi apontado como o respons√°vel por vender a cetamina para eles teve um mandando de prisão expedido contra ele na última sexta-feira (7/6). Isso aconteceu porque ele foi intimado tr√™s vezes a depor e não compareceu.


No dia em que ele teve a prisão decretada, outros dois funcion√°rios do estabelecimento foram presos. De acordo com o delegado respons√°vel pelas investigações, eles teriam ajudado o chefe a "esvaziar provas".


À Rede Amazônica, a defesa do suspeito garantiu que o veterin√°rio não est√° relacionado com o caso e que vai pedir a revogação da prisão com base nos autos: "Ele nega que tenha vendido qualquer substância pra terceiros", declarou.


Os representantes legais de José M√°ximo de Oliveira também negaram que ele seja o propriet√°rio da clínica, mas não apresentou o nome de quem seria.


Ex-namorado e personal de Djidja são presos


A polícia prendeu na última sexta-feira (7/6) o ex-namorado de Djidja Cardoso, Bruno Roberto, e o coach Hatus Silveira. As prisões se deram no contexto das investigações da morte da ex-sinhazinha do Boi Garantido. Djidja foi encontrada morta em Manaus, no último dia 28/5.


H√° a suspeita que a mulher tenha morrido por overdose de cetamina. Dois funcion√°rios de uma clínica veterin√°ria que teria fornecido a droga para a família da mulher também foram presos nesta sexta. As informações são do G1.


O ex-namorado de Djidja, Bruno Roberto, chegou a prestar depoimento na última segunda-feira (3/6), mas na condição de testemunha. Os esclarecimentos de Hatus foram prestados no dia seguinte.


A polícia acredita que Bruno estava na casa da ex-sinhazinha no dia em que a jovem foi localizada sem vida. Ele, inclusive, teria feito o comunicado do fato para a polícia.


Bruno é suspeito de ter deixado o carro de Djidja em Manaus, depois da morte dela. A defesa dele alega que se tratava de uma pane mecânica do veículo.


Hatus se apresentava como personal trainer da vítima. No entanto, a Associação dos Profissionais de Educação Física e Atividade Motora (Apefam) informou que ele não possui registro profissional. Além disto, nas redes sociais, ele dizia ser coach.


Aos policiais, Hatus afirmou que foi chamado até a casa da vítima porque a família dela tinha interesse em voltar a treinar. Ele também disse que j√° haviam oferecido cetamina a ele e que uma vez, de surpresa, a ex-sinhazinha aplicou cetamina nele.


Até o momento estão presos a mãe da ex-sinhazinha, Cleusimar Cardoso, o irmão dela, Ademar Cardoso, e tr√™s funcion√°rios de uma rede de salões que era gerida pela empres√°ria.


Djidja era uma figura de destaque no Festival de Parintins. O laudo preliminar do Instituto Médico Legal (IML) indica que a moça teve um edema cerebral que impactou o coração e a respiração dela, a levando à morte. No entanto, o que teria iniciado a reação em cadeia não foi identificado até o momento. A suspeita é de overdose.



Texto: F√°bia Oliveira

Foto: Instagram/Reprodução



Fonte: Metrópoles

Comunicar erro
AMAZON 2

Coment√°rios

AMAZON 3